Os misteriosos incêndios do castelo de Lunéville, conhecidos como "luzes"

Quem sou
Aina Prat
@ainaprat
Autor e referências

A história da castelo de Luneville, apelidado de "Castelo das Luzes", é rico em eventos de todos os tipos. Charles Le Téméraire era um dos proprietários, quer dizer! Mas é mais como o 13 fogos misteriosos que se declararam lá que mancham sua grande história…

Cadeias de fogo

Durante seus anos históricos, o castelo encadeou incêndios, sete dos quais foram grandes, causando inúmeras reformas... a última das quais terminará em 2023.



O primeiro incêndio listado eclodiu em 3 de janeiro de 1719 na ala direita do castelo. Mata sete pessoas e destrói parte do corpo central.

A segunda chegou 20 anos depois, em 1739. Desta vez, declarou-se na ala do adro do primeiro andar.

O terceiro? 20 anos depois… Exatamente o mesmo lugar de 20 anos antes.

Em 1766, o roupão do duque de Lorraine pegou fogo. Ele vai morrer de seus ferimentos.

1789. Então, 20 anos depois… O incêndio começou no porão do castelo, em suas cozinhas. O fogo invade a grande escadaria. Felizmente, a estrutura de pedra interrompe a fúria das chamas. Caso contrário, nada teria permanecido.

A quinta ocorreu em 1814. Destruiu a pequena ala norte do pátio.

A sexta eclodiu em novembro de 1849 no mesmo local de 1719 (na ala direita), às 6h. Levará 24 horas para os bombeiros se livrarem dele. Na época, era preciso tirar água do canal usando grandes baldes de madeira. Deploramos duas graves vítimas: amputação de um pé para um, amputação de dois dedos para o outro. A causa? A queda de chaminés e vigas.


A sétima, e não menos importante, devora entre 300 e 500 m2 de cobertura e caixilharia. O fogo também destruiu completamente o telhado da ala esquerda do castelo.


Quanto ao mais recente, foi desencadeado na noite de 2 de janeiro de 2003 e devastou vários edifícios: dois apartamentos principescos, um terço do edifício do Conselho Geral de Meurthe et Moselle, o telhado da ala sudeste do capela real e lamentamos grandes danos nos elementos de alvenaria. O prejuízo é estimado em três milhões de euros. Mas, sobretudo, o incêndio destruiu grande parte das coleções do castelo. E isso não tem preço.

artnet.com

Circunstâncias da maldição ou do acaso?

A sua construção demorou 20 anos a pedido do Duque Leopold. Trata-se, de fato, de construir o equivalente a Versalhes sobre as ruínas de uma fortificação medieval. Mas é o aristocrata Stanislas que lhe dará suas cartas de nobreza. De fato, Stanislas Leszczynski, além de sogro de Luís XV, fez do Château de Lunéville um ponto de encontro dos maiores filósofos do Iluminismo. Dominando cinco línguas, um grande viajante antes do Eterno, Estanislau da Polônia, Duque de Lorena, transformou o local em um ponto de encontro imperdível para os intelectuais da época. O castelo será então transformado em quartel militar (não bruto!) ao longo do século XIX.

Se alguns explicam a maior parte dos incêndios pela presença de velas à luz e muitas carpintarias inflamáveis, já é menos evidente em 1969 e 2003!

Há rumores de que os incêndios são o resultado da maldição do anão Baby. Aos cinco anos, ele foi descoberto pelo duque Stanislas, que pediu ao pai a criança em troca de sua educação. Cabe à criança distraí-lo. Nicolas Ferry é então apelidado de Bebê pelo Duque.



Seu personagem oscila entre bionomia e grande raiva e o Duque lhe dá tudo! Ciumento, ele joga um cachorrinho pela janela e tenta empurrar Joujou, o anão do primo de Stanislas, no fogo.


Aparentemente, Stanislas não teria cumprido uma promessa: a de encontrar uma esposa para Baby. Aos 23 anos, ele morreu de gripe. Desde sua morte, ele assombrava os corredores, provocando inúmeros incêndios com sua raiva furiosa.

 

Adicione um comentário do Os misteriosos incêndios do castelo de Lunéville, conhecidos como "luzes"
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.